X

Fale Conosco:

Aguarde, enviando contato!
X

Horóscopo Virtual:

X

Resultados das Loterias:

RSC Portal - IMPRESSO CATARINENSE

RSC Portal - JORNAL IMPRESSO CATARINENSE

Médica de Imbituba trabalha em São Paulo e cobra responsabilidade dos imbitubenses

Dra. Ana Bittencourt disse que se prepara para quadro catastrófico nas próximas semanas, no Hospital das Clínicas, em entrevista para Rádio 89,3 FM

Por RSC Portal dia em Notícias

Médica de Imbituba trabalha em São Paulo e cobra responsabilidade dos imbitubenses
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp

Por Alex Bondan


A Rádio 89,3 FM entrevistou nessa primeira semana de abril a médica imbitubense Ana Karoline Bittencourt. Ela é graduada na UFSC e agora faz residência na Universidade de São Paulo (USP). Ela tem trabalhado muitas horas além do normal e traça um panorama catastrófico do Hospital das Clínicas, em que trabalha, para as próximas semanas. Seu principal alerta para sua cidade natal é que o isolamento tem que ser precoce, porque depois de estar em uma situação caótica não adianta mais começar isolamento social.

Dra. Ana Bittencourt é filha do Manoel e da Tania, professora que trabalha na Secretária de Educação. Depois de formada em Medicina na Universidade Federal de Santa Catarina em 2018, partiu para residência em Clínica Médica na USP. Para ela, São Paulo ficou bem caracterizada como epicentro da Pandemia no Brasil. "O crescimento está sendo exponencial aqui. A gente se prepara para algo muito próximo do que a gente tem visto em outros países que chegam em uma situação catastrófica. Acho que isso é muito importante de ser passado", afirmou para o apresentador Arenilton Carvalho.

As informações e relatos de Imbituba estão sendo acompanhados por ela. "São poucos casos comparado a São Paulo, mas aqui o crescimento está exponencial e a gente acredita muito nos casos subnotificados. Muitas pessoas que não estão tendo os sintomas e por isso nem chegam a ser testadas para o vírus. Outras pessoas são testadas e ainda assim o teste está vindo negativo, o que a gente chama de baixa sensibilidade", destaca a médica imbitubense. Até 40% dos casos podem ser negativos e a pessoa estar contaminada. "Diante disso a gente vê que o número em São Paulo está crescendo muito rápido e os hospitais estão usando estratégias adicionais. Criando hospitais de campanha ou outro centro de atendimento para tirar um pouco o foco dos grandes hospitais", disse para toda a audiência da Rádio Mais Ouvida.

Segundo o relato da médica, a tendência está sendo separar os públicos com os sintomas respiratórios daqueles pacientes com outros problemas de saúde. Principalmente daqueles que tem outras comodidades, pressão alta, diabete e obesidade. "Pensando nisso, o Hospital das Clínicas, que tem quase 1000 leitos, fechou completamente só para o atendimento de coronavírus. Todos os pacientes que faziam atendimento por outros motivos foram levados para outros hospitais do complexo. Estão sendo atendidos nos hospitais de Cardiologia, do Câncer, Impor, Incesp, mas não estão sendo atendidos no Hospital do Instituto Central (Hospital das Clínicas) para tentar separar esses dois grupos e contaminar o menor número de pessoas possíveis. Fica bem claro que o maior medo é sobrecarregar o Sistema Público de Saúde, pois já vemos alguma coisa nesse sentido", alertou a Dra. Ana.

Imbituba já tem dois funcionários da Secretaria de Saúde contaminados, isso reforça a atenção no município e São Paulo se esforça nesse sentido. "Estamos trabalhando além do horário, nesse momento está tendo uma preocupação com todo profissional de saúde, mas também com toda a equipe envolvida nisso. As pessoas dentro do hospital, da segurança e limpeza. Eles estão tentando ativamente fazer contratações emergências. O número de funcionários do hospital tem a tendência de aumentar, por que tem muitas pessoas que já estão sendo afastadas. Algumas estão com os sintomas e ficam aguardando o resultado. A gente sabe que se o profissional de saúde cair, a estrutura cai como um todo. Então pensando nos profissionais de saúde, estão sendo traçadas outras estratégias, até pensando em outras epidemias que já tiveram, tanto na gripe H1N1, quanto outras", disse a imbitubense.

A questão emocional também foi considerada na entrevista que a Dra. Ana Bittencourt concedeu para Arenilton Carvalho. "Pensando na alta taxa de depressão ou ansiedade dos profissionais de saúde, eles estão traçando algumas estratégias, por exemplo: a nossa carga horária agora deve ser diminuída. Ao invés da minha carga horária semanal de 60 horas por semana, como Bolsista da Residência, agora a escala está sendo estruturada para trabalhar 12 horas de trabalho por 36 de descanso", confortou-se. Ela afirmou também que essas mudanças devem atingir todos os profissionais da área.

Outro alerta foi o sobre os Equipamentos de Proteção Individual (EPI), que não foram feitas usar por longos períodos. "Eles acabam machucando, tem um monte de imagem nas redes sociais de médicos e enfermeiros com o rosto machucado e isso é verdadeiro, porque as máscaras e os óculos acabam machucando bastante o rosto. Pensando nesse desconforto também não dá para trabalhar todos os dias nessa carga horária muito pesada. Hoje ainda tem profissionais que estão aumentando a carga horária. Principalmente para os Especialistas já formados, não em Cirurgia, mas o pessoal da Clínica Médica e da Emergência. Todos os chefes estão com a carga horária aumentada por que estão sendo feitas novas contratações", comentou.

Questionada pelo apresentador Arenilton sobre as principais orientações, ela reforça a higienização e esterilização das mãos. "Lembrando que o álcool está realmente em falta, principalmente o álcool gel, mas água e sabão substituem muito bem e são até superiores ao uso do álcool em si. Importante fazer lavagem constante das mãos, principalmente se entrar em contato com alguém, se precisar sair para ir na farmácia, supermercado e a própria postura de isolamento social, de adotar a quarentena. Sei que isso é muito difícil. Cada um acaba olhando pelo seu lado e não dá para julgar. Existem muitas outras questões que estão em jogo quanto ao isolamento social. Principalmente a parte econômica e financeira, mas infelizmente a única medida que a gente tem com provável eficácia de redução da taxa de infecção, de transmissão entre as pessoas, mesmo que tenha todos esses problemas é muito importante que as pessoas se conscientizem da importância do isolamento , não só dos grupos de risco, como os mais velhos, que tem problema de saúde, mas todo mundo de maneira geral", insistiu a médica.

Preocupada com a desinformação em Imbituba, a Dra. Ana Bittencourt, disse que não é só uma gripezinha. "Nós temos muitos casos de informação de pacientes idosos que têm problemas de saúde também estão evoluindo, mas acaba sendo a minoria. Não é só uma gripezinha, é importante que as pessoas pensem realmente. Meu medo com a população de Imbituba é algo que ainda não está pautado. Teve os casos relacionados ao Cruzeiro, agora um caso de transmissão comunitária, mas provavelmente existem outros casos que não estão sendo identificados por que a pessoa não esta sentindo nada, não esta fazendo teste, por que o teste esta vindo negativo e na verdade a pessoa é contaminada, isso passa uma falsa sensação de segurança", alertou com veemência antes da notificação do segundo caso de transmissão comunitária.

Ela seguiu com o desabafo para Arenilton Carvalho. "O que eu ouço é muita gente criticando. Um fala que o isolamento social acabou começando muito cedo, que as medidas foram adotadas muito cedo, mas infelizmente é isso que a gente vai incentivar mesmo. Não adianta, o isolamento tem que ser precoce por que depois de estar em uma situação caótica não adianta mais começar isolamento social. Então, as principais questões para segurança e prevenção são higiene, o isolamento social e o de mascara", finalizou.

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp

Olá, deixe seu comentário para Médica de Imbituba trabalha em São Paulo e cobra responsabilidade dos imbitubenses

Já temos 2 comentário(s). DEIXE O SEU :)
Maria Botelho de Souza Botelho

Maria Botelho de Souza Botelho

Obrigada Doutora é que Deus de cuide aí
★★★★★DIA 09.04.20 20h47RESPONDER
N/A
Enviando Comentário Fechar :/
Solange. Ávila

Solange. Ávila

Estamos muito orgulhosos por você, por seus familiares. Embora a Pandemia nos deixa apreensivos e preocupados, não podemos perder a fé. E acreditar que Deus está no Comando. Mas que precisamos seguir suas orientações, como profissional da Saúde. Obrigada e que Deus te abençoe.
★★★★★DIA 09.04.20 14h35RESPONDER
N/A
Enviando Comentário Fechar :/
Enviando Comentário Fechar :/