X

Fale Conosco:

Aguarde, enviando contato!
X

Horóscopo Virtual:

X

Resultados das Loterias:

Conteúdo em destaque:

Frutos de Goiás Imbituba
Barbearia Vip Imbituba
MC CELULARES
Z12 Sushi Imbituba
Tabacaria Cardoso
O Guaraná oficial de Imbituba
Carla Carvalho Studio Pilates e Suspensão
Clinica Odontológica Integrada
PAES E CUCAS
Mini Calzone Garopaba
Snet Telecom
Dedetizadora D.D. Sul

The New York Times destaca pesquisa da Udesc sobre contágio viral em academias

Entrevistado pela reportagem, um professor da universidade falou sobre riscos e cuidados para a prática de exercícios físicos no atual contexto da pandemia

Por Redação do RSC dia em Notícias

The New York Times destaca pesquisa da Udesc sobre contágio viral em academias
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp

Foto Udesc

Uma pesquisa desenvolvida no Laboratório de Psicologia do Esporte e do Exercício (Lape), do Centro de Ciências da Saúde e do Esporte (Cefid), da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) em Florianópolis, sobre riscos de infecção em academias durante a prática de exercícios físicos, ganhou destaque no jornal The New York Times.

Feito antes da pandemia de Covid-19, o estudo saiu em 2018, no periódico internacional Environmental Science and Pollution Research. Leia o artigo (em inglês).

Nesta quarta-feira, 3, o trabalho foi uma das referências utilizadas em um artigo do New York Times sobre o assunto, com o título "Qual o futuro das aulas de exercício em grupo?". O texto abordou uma onda de contágio detectada na Coréia do sul a partir de aulas de zumba. Leia a notícia (em inglês).

Riscos e cuidados

Entrevistado pela reportagem, o professor Alexandro Andrade, que coordenou o estudo no Lape, falou sobre riscos e cuidados para a prática de exercícios físicos no atual contexto da pandemia.

Um dos pontos destacados foi a necessidade do distanciamento social. "Grupos relativamente grandes de participantes, respirando de forma intensa, em espaços pequenos, são condição ideal para disseminação viral" afirma o docente da Udesc Cefid no texto.

Entre as medidas sugeridas para as academias, estão a redução do tamanho das turmas, o uso de máscaras e demais proteções faciais durante as atividades e, quando possível, a realização das aulas ao ar livre, em locais com ampla circulação de ar.

Andrade destaca que, embora não tenha sido citado pelo NYT, o aspecto mais importante nos ambientes internos das academias é o sistema de ventilação, que deve garantir renovação constante do ar. "Salas fechadas ou pouco ventiladas são ambientes de alto risco neste contexto da pandemia", destaca o professor.

Qualidade do ar

Segundo Andrade, o contato do NYT ocorreu devido ao artigo científico, que está relacionado a uma das linhas de pesquisa que o professor coordena: a qualidade do ar em ambientes de exercícios físicos e esportes.

O estudo publicado teve como objetivo analisar os riscos de infeção de Influenza e de tuberculose por praticantes de exercícios físicos, a partir da medição de concentrações de dióxido de carbono e da análise das características físicas de três academias de ginástica equipadas com ar-condicionado.

Os resultados indicaram que a ventilação insuficiente em academias é um problema significativo, com altas concentrações de CO2 prejudicando a qualidade do ar e causando riscos à saúde dos praticantes, inclusive com maiores chances de infecção por vírus como Influenza e a tuberculose.

Coautores

Os demais autores do artigo são: o doutorando Fabio Dominsky, do Programa de Pós-Graduação em Ciência do Movimento Humano (PPGCMH), da Udesc Cefid, que também se dedica ao estudo da qualidade do ar em ambientes de prática de exercício físico e esportes, orientado pelo professor Andrade; o professor Marcelo Pereira, do Instituto Federal de Santa Catarina (Ifsc), que fez pós-doutorado no Lape; a pesquisadora Carla Liz, egressa do doutorado no PPGCMH; e Giorgio Buonanno, da Universidade de Cassino, na Itália.

Andrade destaca a contribuição dos colegas na realização do trabalho: "Dominski está concluindo seu doutorado com brilhantismo e dedicação nos estudos sobre a qualidade do ar, assim como o Marcelo Pereira, do Ifsc, pesquisador na área de Engenharia Mecânica. Todos foram fundamentais nesta pesquisa", afirma.

Sobre o Lape

Vinculado ao PPGCMH e coordenado pelo professor Andrade, o Lape conta com cerca de 25 pesquisadores, entre acadêmicos de graduação, bolsistas de iniciação científica, de mestrados, doutorado e pós-doutorado.

O laboratório realiza projetos de pesquisa e extensão e mantém parcerias com instituições do Brasil e estrangeiras. Atualmente, são desenvolvidas pesquisas em cinco linhas: Atividade física e saúde; Psicologia e desempenho no esporte; Psicologia do exercício e saúde; Metodologia e inovação no esporte e saúde; e Qualidade do ar em ambientes de prática de educação física e esportes.

"O apoio da Udesc é fundamental para nosso trabalho. O Lape tem produzido publicações com destaque em periódicos internacionais, nos últimos três anos foram quase 80 publicações indexadas. Isso tem gerado convites para atuar como professor visitante em universidades na Italia, na Espanha e em Portugal, e permitido o envio de estudantes para estágios de pesquisa. O mais importante é que cada publicação e reconhecimento nos coloca o desejo de aprender mais, com humildade e orgulho do Cefid e da universidade", conclui Andrade.

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp

Olá, deixe seu comentário para The New York Times destaca pesquisa da Udesc sobre contágio viral em academias

Enviando Comentário Fechar :/