X

Fale Conosco:

Aguarde, enviando contato!
X

Horóscopo Virtual:

X

Resultados das Loterias:

Conteúdo em destaque:

Call The Police
Pães e Cucas em Garopaba
Clube do Assinante Impresso Catarinense
King Barbearia
Sul Internet
Snet Telecom
Raancon Construtora

Steel Frame uma nova forma de construir

Vantagens e desvantagens devem ser levadas em conta antes de se investir em casas de Steel Frame

Por RSC Portal dia em Notícias

Steel Frame uma nova forma de construir
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp

No mundo da construção civil não faltam termos e definições para os diferentes tipos de obras e elementos arquitetônicos; mas  um nome que tem se destacado é o   lithg steel frame. Esse termo veio de fora do  país, e aos poucos tem entrado no nosso vocabulário para distinguir um estilo de obra que tem sido cada vez mais usual no Brasil. E se você ainda não conhece o que é steel frame está na hora de conhecer.
A tradução literal de steel frame é moldura de aço; e a partir dessa tradução já dá para ter uma dica e/ou noção do que se refere esse elemento.

O termo que vem da língua inglesa se refere a um modo da construção civil, que é conhecido por construção seca, já que dispensa o uso de tijolos e massa ligante, como o cimento ou concreto. Nesse estilo de construção, as paredes são construídas a partir de uma estrutura de aço que forma todo o esqueleto da casa. Depois de pronta, essa estrutura é preenchida por painéis/ placas que formam as paredes.

História

 

O início do uso deste modo construtivo remonta ao século XIX, momento este em que os colonizadores do território norte-americano utilizavam a técnica woodframe,  devido à necessidade da época por métodos construtivos mais ágeis. Com o desenvolvimento da indústria, o surgimento e popularização de novos materiais e a busca por técnicas construtivas mais viáveis foi lançado, em 1933, o primeiro protótipo em steel frame nos Estados Unidos na Feira Mundial de Chicago (Figura 2). Aliando a necessidade de construção pós-guerra com a disponibilidade de matéria-prima, este método se desenvolveu rapidamente e logo foi adotado por diversos países. Com as pressões constantes por desenvolvimento sustentável, a indústria madeireira sofreu declínio ao passar dos anos, forçando os processos produtivos a buscarem outras soluções construtivas e a adaptar a construção civil aos métodos usados em outros setores da indústria, passando a produzir em série material pré-moldado. Tudo isso impulsionou o LSF, dando grande visibilidade a esse processo, apesar dos erros e fracassos que ocorreram ao longo do seu desenvolvimento.

No Brasil, a utilização do aço na construção civil iniciou-se em 1998 e desde então é produzido no parque siderúrgico. Apesar de sua competitividade e de ser um dos métodos de construção seca mais utilizados no Brasil, hoje em dia este só não possui mais visibilidade no mercado em função da larga utilização dos sistemas convencionais, como a alvenaria estrutural e o concreto armado.

 

Porque está se popularizando

Algumas pessoas conseguem contratar pedreiros bons, outras não. Porém, a maior parte dos problemas da alvenaria não está relacionado ao pedreiro propriamente, mas sim ao nível artesanal e empírico do sistema em si. Buscar uma solução construtiva mais tecnológica, que fosse ambientalmente sustentável e, ao mesmo tempo, financeiramente viável.

Quando se trata de uma construção diferenciada existem alguns pontos que podem gerar dúvidas e receios justamente por ser um modelo construtivo pouco conhecido. O LSF apresenta algumas características que o destacam no mercado, são elas: conforto, segurança, isolamento térmico e acústico, economia perante os outros métodos, menor tempo de execução, facilidade de modulação e racionalização, redução de desperdício, uso de elementos construtivos não comuns nas placas de fechamento e grande flexibilidade no projeto arquitetônico. O material, apesar de leve, quando dimensionado corretamente alcança um desempenho que é tão bom ou até melhor que concreto armado. Vale citar que a construção só necessita de concreto nas fundações, o restante é estruturado por perfis de aço, resistindo aos esforços e sem apresentar flambagem, mantendo assim sua geometria e desempenho. É um método muito versátil, adapta-se a diversas exigências arquitetônicas, desde edificações de um até cinco pavimentos, construções simples e lineares, retrofits, hospitais, hotéis e até vivendas com arquitetura mais elaborada.

 

Dentre os benefícios desta tecnologia, o que mais se destaca é a diminuição considerável do tempo de execução da obra. A execução de casas populares pode ser realizada em até 30 dias e de casas de alto padrão em 120 dias. A diminuição do tempo total da obra implica diretamente em menos tempo de mão de obra, e, apesar da necessidade desta ser qualificada para a construção com LSF, evitam-se desperdícios e diminuem-se os gastos.  Esta redução reflete no custo por metro quadrado, que é mais barato em comparação à alvenaria estrutural, deixando claro que deve-se levar em consideração que, para o sistema construtivo em alvenaria atingir os benefícios da LSF, este deveria, por exemplo, utilizar uma parede dupla de blocos cerâmicos (visando o isolamento), acarretando no aumento de gastos com a construção. Por ser um método de arquitetura sustentável, economiza-se em relação a alvenaria convencional no que diz respeito aos gastos energéticos, compensando o investimento inicial da obra e economizando com despesas futuras, considerando gastos para melhorias do conforto térmico e acústico, além de reduzir gastos com manutenção. Contribuindo também para a sustentabilidade, o aço é 100% reciclável e incombustível.

 

Obra rápida e limpa;

Construção a seco;

Facilidade de montagem e manuseio;

Redução de prazos (se comparada com alvenaria);

Facilidade de passagem e manutenção de instalações elétricas, hidrossanitárias, cftv, gás, dados, ar condicionado, dentre outras;

Leveza e redução do custo de fundações (se comparado com alvenaria);

Menor número de etapas de construção;

Ganho de área de 4% a 5% (se comparado com uma mesma planta de edificação em alvenaria). Isso porque as paredes internas de uma edificação em Steel Frame tem menor espessura que os tijolos/blocos.

Redução de desperdícios. Devido ao processo ser industrializado, as etapas de obra são atividades de montagem. Diferente de uma construção convencional onde há muitas atividades moldadas “in loco”, como reboco, chapisco, corte de tijolos/blocos para paginar uma parede de vedação.

Há um baixo custo e baixa frequência nas manutenções. Como também em uma casa de alvenaria.

Então, por que se usa pouco o Steel Frame no Brasil?

O custo. Ainda é superior ao de uma edificação de alvenaria. Logo, mesmo que o prazo de construção seja 1/3 de uma construção convencional.

Por isso, as principais obras que se constroem em Steel Frame são de clientes que precisam logo de uma sede para começarem a operar suas atividades para não perderem dinheiro, como: bancos, shoppings, supermercados, galpões.

Tradicionalismo das pessoas;

Necessidade de profissionais mais qualificados. Treinamento.

 

Preenchimento da estrutura

 

Construtivo industrializado que utiliza perfis leves de aço galvanizado em conjunto com fechamento em placas. Os perfis leves são conformados a frio e sua montagem formam o esqueleto estrutural (paredes, pisos e telhados). São conhecidos como Guias e Montantes.

Não há a utilização de tijolos ou concreto. Comparando com a construção tradicional, estruturas de concreto com fechamentos de tijolos/blocos ou alvenaria estrutural é completamente substituída por uma estrutura de aço galvanizado leve revestida com placas (madeira OSB, cimentícia, drywall) prontas para receber pintura ou revestimentos.

Como o peso da estrutura de Steel Frame é menor que uma edificação tradicional, as fundações tendem a ser mais simples e menos robustas. No caso de casas e edificações menores, geralmente, as fundações são em sapatas Corridas ou radiers.

O esqueleto é montado de acordo com o projeto, instalando as guias no piso, seguindo a modulação dos montantes e respeitando as passagens de instalações.

As instalações passam no interior das paredes, entre os montantes, e suas saídas são fixadas com perfis metálicos para evitar a movimentação quando no uso.

Uma vantagem do Steel Frame é não gerar quebra-quebra para a passagem e/ou manutenção das instalações. É necessário fazer apenas o corte da chapa, seja cimentícia, osb e drywall, realizar a manutenção e refazer o fechamento.

Para garantir o adequado isolamento térmico e acústico, após iniciar os fechamentos e concluir as instalações, insere-se entre as paredes e telhado lá de vidro ou lã de rocha.

As esquadrias, portas e janelas, são instaladas da mesma maneira que em uma construção em alvenaria, com a utilização de Poliuretano Expansivo (PU) e parafusos autobrocantes.

A estrutura dos telhados é feita com os mesmos perfis leves das paredes. Os fechamentos também são feitos com placas OSB ou cimentícias e, em seguida, aplicado o revestimento especificado pelo arquiteto ou projetista. Além disso, é colocada o isolamento térmico-acústico.

Além do Steel Frame, no Brasil vem cada vez mais sendo utilizados o DryWall para substituir o concreto e dando a rapidez para finalização de obras no país.

 

Confira galeria de fotos do artigo: "Steel Frame uma nova forma de construir"

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp

Olá, deixe seu comentário para Steel Frame uma nova forma de construir

Enviando Comentário Fechar :/