X

Fale Conosco:

Aguarde, enviando contato!
X

Horóscopo Virtual:

X

Resultados das Loterias:

Conteúdo em destaque:

Woodstock 2k
Tabacaria Cardoso
Pães e Cucas em Garopaba
Clube do Assinante Impresso Catarinense
Snet Telecom
King Barbearia
Raancon Construtora

Jovens pedem fim dos combustíveis fósseis na ONU

Mais de 600 jovens participaram da Cúpula da Juventude para o Clima, no sábado, 21, em Nova Iorque

Por RSC Portal 2 dia em Notícias

 Jovens pedem fim dos combustíveis fósseis na ONU
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp

Foto: Kim Haughton/UN Photo.
Secretário-geral da ONU, António Guterres (centro) e Greta Thunberg (a segunda à direita), na abertura da Cúpula da Juventude pelo Clima 

Um dia depois que milhares de pessoas marcharam pelo mundo – de Nova Iorque a Nova Deli, de Santiago a São Francisco – pedindo ações urgentes pelo clima, mais de 600 jovens participaram da Cúpula da Juventude para o Clima, no sábado, 21, em Nova Iorque. Para eles, é necessário que os líderes políticos façam mudanças radicais no uso de combustíveis fósseis e rumo a energia limpa, proteção dos oceanos e promoção do consumo sustentável.

Organizada pelo secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, a Cúpula da Juventude pelo clima reuniu jovens de mais de 140 países e territórios para que eles compartilhem as soluções num palco global e passem um recado claro aos líderes mundiais: é necessário agir agora para as mudanças climáticas.

Um dia depois que milhares de pessoas marcharam pelo mundo – de Nova Iorque a Nova Deli, de Santiago a São Francisco – pedindo ações urgentes pelo clima, mais de 600 jovens participaram da Cúpula da Juventude para o Clima, no sábado (21), em Nova Iorque.

Para eles, é necessário que os líderes políticos façam mudanças radicais no uso de combustíveis fósseis e rumo a energia limpa, proteção dos oceanos e promoção do consumo sustentável.

É o primeiro encontro da ONU reunindo jovens que se dedicam à ação pelo clima, que tem por objetivo dar voz às demandas da juventude por ações rápidas  para que não se revertam os ganhos de desenvolvimento das décadas recentes, que melhoraram a vida de milhões de pessoas.

Organizada pelo secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, a Cúpula da Juventude pelo clima reuniu jovens de mais de 140 países e territórios para  compartilhamento de soluções num palco global e para dar  um recado claro aos líderes mundiais: precisamos agir agora para as mudanças climáticas.

Os resultados do encontro serão encaminhados para a Cúpula da Ação do Clima, que reunirá chefes de estado e de governo, dirigentes de empresa e líderes da sociedade civil a partir desta segunda-feira (23).

Guterres classificou esta geração de jovens como essencial para combater a crise global e disse que ainda estamos perdendo a corrida para as mudanças climáticas. “Mas estamos num impulso de mudança, graças à iniciativa de Greta Thunberg e a coragem com que ela começou este movimento”, afirmou o secretário-geral para a jovem ativista sueca de 16 anos.

“Milhões de pessoas ao redor do mundo estão dizendo claramente que querem mudanças, que os tomadores de decisão precisam mudar e que eles devem ser responsabilizados”, afirmou Guterres.

Jayathma Wickramanayake, enviada do secretário-geral para a Juventude, lembrou que a mudança climática é o assunto determinantes do nosso tempo. “Milhões de jovens em todo o mundo já estão sendo afetados. Se não agirmos agora, o impacto será severo”, alertou.

A Cúpula teve um formato diferente, com discussões e sessões de perguntas e respostas lideradas por moderadores e jovens. Entre os participantes estavam os 100 vencedores do bilhete verde, incluindo o brasileiro João Henrique Alves Cerqueira.

 Jovens vozes

– “Milhões de pessoas em todo o mundo saíram as ruas e pediram real ação pelo clima”, afirmou Greta Thunberg. “Mostramos que estamos unidos. E que somos jovens e invencíveis”, encorajou a jovem aos demais participantes.

A representante das Ilhas Fijij Komal Kumar foi incisiva no seu recado aos líderes mundiais: “Somos seres humanos, somos comunidades. Demandamos ação. Chega de perder tempo. Vocês serão responsabilizados. E se vocês não lembrarem, nos mobilizaremos para retirá-los pelo voto”, alertou.

Wanjuhi Njoroge, ativista do Quênia, destacou os progressos de recuperação florestal em seu país e avaliou que as iniciativas lideradas pelos jovens “causarão uma revolução”: “Precisamos que nos permitam influenciar nas decisões climáticas. Os Estados-membros precisam respeitar nossa liberdade de expressão, inclusive online”.

O ativista argentino Bruno Rodriguez declarou que as mudanças climáticas “são a crise política e cultural de nosso tempo”. “Não queremos mais combustíveis fósseis”, disse. Ele agradeceu a oportunidade dada pela ONU em incluir as vozes de sua geração no processo para “construir caminhos para um planeta mais habitável”.

Rodrigues afirmou que a ciência é clara e os líderes mundiais têm obrigação de fazer uma mudança radical. “Vamos parar de pedir que os líderes mundiais apenas ouçam a ciência e demandar que eles atuem com base na ciência”, disse.

Guterres concordou que um problema dos líderes mundiais é que eles “falam muito e ouvem pouco”. “É ouvindo que aprendemos”, lembrou o secretário-geral. “Encorajo vocês a continuarem. Continuem se mobilizando e cada vez mais responsabilizando minha geração, que falhou enormemente até agora em preservar a justiça no mundo e em preservar o planeta. Tenho netas. Quero que elas vivam num planeta habitável. É a sua geração que deve nos fazer responsáveis para garantir que nós não traiamos o futuro da humanidade”, afirmou a liderança da ONU.

Jayathma Wickramanayake enfatizou que a ação climática precisa ser justa. “Precisamos garantir que ninguém, especialmente os jovens, seja deixado para traz”, afirmou, lembrando que a Agenda 2030 e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) são o modelo para que o mundo alcance o desenvolvimento sustentável até 2030 e que a ação pelo clima (ODS 13) é crucial para isto.

A Cúpula da Juventude pelo Clima teve uma programação de dia inteiro no sábado (21), reunindo jovens ativistas, inovadores, empreendedores e agentes da modificação comprometidos em combater as mudanças climáticas numa velocidade e escala necessárias para o desafio climático.

Aquecimento global 

– As emissões globais estão aumentando, as temperaturas estão subindo e os impactos das mudanças climáticas são crescentes. As mudanças climáticas já estão afetando a vida de todas as pessoas mas para 1,8 bilhão de jovens com idades entre 10 e 24 anos, o tema é mais urgente, já que irá afetar suas vidas de modo nunca antes visto. Para a geração mais jovem está mais claro do que nunca a necessidade urgente de uma ação climática.

De acordo com a Organização Meteorológica Mundial o mundo está enfrentando o período de cinco anos mais quentes já registrando. A temperatura média global entre 2015 e 2019 é a mais quente de todas e está 1,1º C acima do período pré-industrial. Ondas de calor duradouras e generalizadas, incêndios recordes e outros eventos devastadores, como ciclones tropicais, enchentes e estiagens têm impactado o desenvolvimento sócio econômico e o meio ambiente.

As geleiras marítimas continuam a diminuir, o nível do mar está aumentando e a água marinha está se tornando mais ácida. Insegurança alimentar e impactos na saúde são crescentes mas o mundo continua a investir em combustíveis fósseis.

O programa culminou com a divulgação da Plataforma de Estado da Juventude e a Plataforma ActNow, que encorajam pessoas a tomar atitudes pela mudança climática. Ao encerrar o encontro, a vice-secretária-geral Amina Mohammed participou de um debate com os participantes e representantes de alto nível de governos e da sociedade civil.

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp

Olá, deixe seu comentário para Jovens pedem fim dos combustíveis fósseis na ONU

Enviando Comentário Fechar :/